Afinal, por que acordamos com mau hálito?

Ninguém escapa disso. Entenda a razão por trás desse odor desagradável nas manhãs

Máxima Digital

Entenda o que ocorre durante o sono e colabora com o problema | <i>Crédito: Shutterstock
Entenda o que ocorre durante o sono e colabora com o problema | Crédito: Shutterstock

Mesmo para quem é extremamente cuidadoso e realiza uma higienização completa não tem jeito: o mau hálito matinal teima em aparecer. Quem explica a razão disso é a dentista Rosane Menezes Faria, da Odonto Empresas. "O odor está relacionado à brusca diminuição da salivação que acontece durante o sono. Isso, aliado ao ambiente úmido e com pouca movimentação que é a parte interna da boca, causa um aumento considerável da proliferação de bactérias locais. À medida em que elas se alimentam de micropartículas de comida que, inevitavelmente, permanecem nos dentes, ocorre a halitose”, diz.

Há outro agravante: o longo período de jejum que passamos enquanto estamos dormindo. “Quando ficamos muito tempo sem ingerir nenhum tipo de alimento, o organismo começa a liberar ácidos graxos, substâncias que, automaticamente, geram o mau hálito”, completa. 

Dá para evitar?
Acordar com o hálito fresco é praticamente impossível. Mas algumas medidas podem melhorar a situação. "Nunca deixe de realizar a higienização completa da boca e língua antes de dormir e não se esqueça do fio dental. Beber bastante água antes de dormir também é fundamental, pois quando deixamos de ingerir o líquido, as glândulas salivares não produzem a quantidade de saliva adequada”, afirma.
Como já mencionamos o jejum como um problema, vale destacar que você não deve ir dormir de barriga vazia. Algumas escolhas são aliadas nesse caso. “Alimentos como maçã, cenoura e pepino, quando comidos crus e com casca, realizam uma espécie de raspagem dos dentes que complementa a ação de limpeza do fio dental. Assim, impedem o acúmulo de bactérias que causam odores indesejados, principalmente enquanto estamos dormindo”, finaliza a expert.

10/03/2018 - 15:00

Conecte-se

Revista Máxima