Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram Máxima
Comportamento » Cuidado!

Após críticas a Cleo, psicóloga conta que ataques ao corpo podem gerar compulsão alimentar, bulimia e até anorexia

Psicóloga alerta que ataques ao corpo, como os que Cleo tem enfrentado, podem gerar doenças graves, como bulimia e anorexia

Marina Pastorelli Publicado em 09/10/2019, às 10h59 - Atualizado às 11h07

Psicóloga fala sobre ataques a Cleo nas redes sociais e perigo dos esteriótipos
Psicóloga fala sobre ataques a Cleo nas redes sociais e perigo dos esteriótipos - Instagram

Cleo tem sido alvo de muitos ataques na internet, por conta de sua aparência.

Recentemente, a atriz deu uma entrevista para o 'Fantástico' que deu o que falar, principalmente porque ela desabafou sobre tudo que tem sofrido com os comentários negativos na web em relação ao seu corpo.

A artista, que possui uma terapeuta, lida bem com o caso e até responde muitos haters no Instagram, mas muitas pessoas ainda sentem dificuldade em enfrentar situações como essas, de bullying e body shaming [que, em português, significa "vergonha do corpo"].

Diante de tamanha repercussão sobre a entrevista que viralizou nas redes sociais, e levando em conta a importância de conversar sobre isso, nós, da Máxima Digital, falamos com a Psicóloga Ellen Moraes Senra para entendermos quais efeitos esses tipos de ataques podem ocasionar -- não só nos famosos, mas em qualquer pessoa.

Bulimia e anorexia estão na lista das doenças graves que podem vir como consequências. Veja!


Por que quando uma mulher famosa ganha peso, isso gera tanta cobrança nas redes sociais?

"A pessoa pública, infelizmente, é três vezes mais cobrada do que a mulher dita "normal". Ela acaba sendo referência para padrões estabelecidos por outras pessoas e pela mídia, então acaba que elas realmente são muito mais cobradas, não só nas redes sociais, mas nas revistas, jornais, e são alvos de muitas críticas".

Cleo engordou 20 quilos. Os ataques podem ser gatilhos para piorar a compulsão alimentar da atriz?

"Pode ser gatilho, sim, para pior a compulsão, pois aumenta a ansiedade da pessoa e, com isso, pode aumentar também a necessidade que ela tem de compensar essa ansiedade. No caso, se é uma compulsão alimentar, ela pode se intensificar, sim".

Cleo viu um comentário de que tinha feito tanta plástica que estava deformada. Ela disse que esses ataques que está sofrendo machucam. Quais doenças psicológicas esses ataques podem gerar?

"Esses ataques podem gerar depressão, ansiedade, distorção de autoimagem e reforçar os transtornos alimentares. Não só a compulsão alimentar, como também uma bulimia ou anorexia em casos mais graves".

A filha de Glória Pires disse que já tomou alguns tipos de remédio para se manter magra, que não fizeram bem para ela e desencadearam depressão, paranoia. É comum esses remédios gerarem isso? Quais outras doenças mentais podem trazer?

"Sim, os remédios que são bloqueadores do apetite podem gerar depressão, alteração de humor, e é comum que possa gerar algum nível de paranoia, estresse excessivo... A pessoa pode ter oscilações graves de humor, e pode ser um gatilho para algum transtorno, caso a pessoa já tenha pré-disposição, como no caso da depressão. Além de que, quando você cessa o uso dessas medicações, pode desencadear também uma compulsão alimentar, visto que o seu apetite estava sendo bloqueado por uma substância química e não, necessariamente, reeducado para aquilo que você deveria ter feito de forma natural".

Muita gente diz que é fácil simplesmente não ligar para o que dizem nas redes sociais, e que pessoas famosas não se atingem com o que falam delas na internet. Por eles estarem tão expostos esse mal pode ser amplificado?  

"Por eles estarem em evidência, é muito mais difícil eles não ligarem. O que eles podem fazer, é tentarem se educar para não se importarem tanto, mas é muito difícil, porque, afinal de contas, eles estão em evidência, com todos os holofotes virados para eles, então sofrem ataques não só dos fãs, mas também de jornalistas, enfim... Acabe que pode, sim, maximizar muito isso".

Cleo disse que é privilegiada por poder pagar um terapeuta e ter uma rede de apoio (família e amigos). Qual a importância da terapia e da família em casos de ataques na internet?

"É necessário que se tenha uma rede de apoio familiar, de amigos e também profissional para que a pessoa possa se blindar, de certa forma, para evitar que esse adoecimento se agrave ou até mesmo que ele ocorra, se for diagnosticado desde o início".

"É importante ter diálogo em casa com os familiares e também para que os familiares possam ajudar na identificação dos sintomas, porque nem sempre o paciente vai se dar conta disso logo de imediato".

Ellen Moraes Senra é psicóloga atuando na área clínica através da abordagem cognitivo comportamental. Formada pelo Centro Universitário Celso Lisboa. Com curso de formação em Terapia Cognitiva Comportamental (TCC ) no Instituto Brasileiro De Hipnose, Educação e Psicologia (IBH). Atendimento individual a crianças, adolescentes e adultos.