Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
Comportamento / Internet

Como a pandemia da Covid-19 transformou a era dos influenciadores digitais

Agamenon Filho, famoso na internet como Agabas, é referência em marketing digital e afirmou que a pandemia acelerou a transformação do mercado de influencers

Máxima Digital Publicado em 04/05/2021, às 15h28

Como a pandemia da Covid-19 transformou a era dos influenciadores digitais - Freepik
Como a pandemia da Covid-19 transformou a era dos influenciadores digitais - Freepik

A pandemia da Covid-19 mexeu com todo mundo e, no Brasil, ela dura há mais de um ano. A população teve sua vida virada de cabeça para baixo e passamos a ficar mais tempo em casa. 

Com isso, a internet vira um dos principais atrativos para quem está em casa. Esse fenômeno. 

Segundo o especialista Agamenon Filho, conhecido na internet como Agabas, esse fenômeno acelerou o processo de transformação que já vinha acontecendo no marketing digital. 

Ele notou que o marketing de influência foi um dos mais afetados nesse período. “Como costumo dizer, entramos definitivamente na ‘era digital’ durante a pandemia, em especial por conta da força do marketing de influência. Grandes marcas e agências buscam, cada vez mais, influenciadores para divulgarem seus produtos e serviços”, afirmou.

Por conta dessas mudanças, o papel dos influencers está se tornando mais valorizado e ganhando mais destaque.

“Já que houve um aumento da presença das redes sociais na vida dos usuários, a participação de nomes de prestígio no desenvolvimento de estratégias de marketing está mais comum. A participação de influenciadores tem determinado, inclusive, os bons resultados das campanhas atuais”, acrescentou.

“As empresas estão entendendo que precisam de pessoas influentes para conectar seu produto a uma audiência 100% qualificada e atenta. Pessoas se conectam a pessoas e as marcas acreditam cada vez mais nessa premissa, humanizando ao máximo suas redes.”, disse o especialista. 

Engana-se quem pensa que marketing de influência é um tema recente. Há décadas, artistas e personalidades de diversos segmentos são escolhidos para protagonizar campanhas publicitárias. O que mudou nos últimos tempos é o alcance dessas celebridades, que aumentou consideravelmente com a popularização da internet.

Além disso, o marketing de influência conta com outros tipos de famosos, aqueles que ficaram conhecidos justamente por seu trabalho na internet: os chamados influenciadores digitais. Para se destacar no mercado, os influenciadores precisam atender às expectativas na hora de produzir conteúdo. Se hoje são mais prestigiados, eles também devem ser mais criativos e desenvoltos para chamar a atenção do público.

“Houve um crescimento não só no número de influenciadores, como também no número de conteúdos nas redes sociais. Os influenciadores precisaram de muita criatividade para fazer suas publis dentro da própria casa e aprender a dividir a entrega das postagens nos mais diversos formatos e ferramentas que as plataformas disponibilizam, como fotos, vídeos, lives, reels, IGTVs, etc.”, disse o especialista. 

Agabas também acredita que a responsabilidade do influencer aumentou no contexto da pandemia. “Os consumidores estão indo menos às lojas físicas, então acabam confiando mais na palavra do influenciador diante daquele produto em divulgação”, defendeu.

O comportamento dos usuários, que agora fazem compras online com muito mais segurança e regularidade, afetou diretamente o trabalho dos influencers. “A maioria das empresas se adaptou ao sistema delivery por conta das restrições e da grande necessidade dos seus clientes de comprar em casa”, continuou.

“Antes da pandemia, tínhamos o hábito de comprar pela internet artigos importados e que não costumavam ser comercializados no Brasil. Hoje, itens de supermercado, que não eram normalmente adquiridos por compra online, podem ser comprados com a maior facilidade”, pontuou.

“Percebemos que existe espaço para todo e qualquer produto. Vale destacar o crescimento dos infoprodutos, como cursos digitais, e-books, mentoria e treinamentos, que também estão em alta.”, disse. 

Um fator preocupante é a “cultura do cancelamento”. A preocupação com os posicionamentos no ambiente digital deve ser constante para a imagem do influencer não sofrer nenhum desgaste ou interpretação negativa.

“A onda de cancelamentos está aflorada nas redes sociais, principalmente na realidade da pandemia. Ainda em 2020, diversos influencers de prestígio foram duramente criticados por não respeitarem as medidas de segurança para evitar a propagação do vírus e diminuírem, de alguma forma, a gravidade da situação. Atualmente, as marcas pedem que eles evitem discutir assuntos polêmicos ou que gerem polarização da sua audiência”, explicou.

ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI