Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
Comportamento » Dia Nacional da Visibilidade de Transexuais e Travestis

Dia Nacional da Visibilidade de Transexuais e Travestis: Conheça histórias de cantoras que venceram barreiras e brilham no cenário musical

Raquel Virginia, Assucena Assucena e Urias conquistaram espaço no mundo da música

Máxima Digital Publicado em 29/01/2021, às 09h53

Dia Nacional da Visibilidade de Transexuais e Travestis: Cantoras que brilham no cenário musical
Dia Nacional da Visibilidade de Transexuais e Travestis: Cantoras que brilham no cenário musical - Instagram

No dia 29 de janeiro, o Brasil comemora o Dia Nacional da Visibilidade de Transexuais e Travestis. A força para fazer esse momento acontecer é recente e se deve aos discursos e medidas da população LGBTQIA+, contrárias à maioria dos eleitos no país. 

O Brasil é o país que mais mata pessoas trans no mundo, segundo dados do segundo levantamento divulgado pela ANTRA (Associação Nacional de Travestis e Transexuais).

Para comemorar esse dia especial, importante e necessário, conheça a história de cantoras trans que conquistaram espaço no mundo da música e brilham em seus caminhos musicais.

Raquel Virginia e Assucena Assucena integram o trio As Baías. Ao lado de Rafael Acerbi, as cantoras trans são fiéis à sua essência e a comunidade LGBTQIA+ que representam. Preconceito, luta por espaços e pelo reconhecimento são algumas das reflexões que elas trazem para seu público. 

Com a meta de elucidar que tal comunidade não deve e não pode ser conhecida apenas por seus números tristes e violentos, o trio quer mostrar que as trans estão no poder e podem dominar as paradas de sucesso. 

"Dama Latino", último trabalho do trio, é um álbum visual que traz a mistura de ritmos desde o pop ao brega funk. Ele contou com uma produção mega especial: cada single foi trabalhado separadamente durante o segundo quadrimestre de 2020. E tem mais! Ele conta com participações de peso! Cleo, Kell Smith, Linn da Quebrada, Xand Avião e Luísa são os artistas que entram para agregar ao trabalho. 

“Numa sociedade saudável, se um grupo é mais atacado, todos nós devemos parar e refletir os motivos para que aconteça a mudança. O dia da visibilidade trans serve para refletirmos os motivos pelos quais temos um grupo tão atacado como o das pessoas trans. É o dia para dar luz a nossa dignidade. Que é a dignidade humana.”, declarou Raquel Virginia. 

“Nós não nascemos no corpo errado, nós não somos um pecado, nós não somos uma vergonha. Nascemos com uma missão linda de expandir liberdade e amor e de conquistar espaços para transformar esse mundo num lugar efetivamente de respeito e paz. O lugar de pessoas trans é o lugar no qual queremos estar.”, disse Assucena Assucena. 

Urias começou sua carreira na arte pelas passarelas. Nos eventos de moda, ela chegou a participar do SPFW e Casa de Criadores. Ela também esteve como capa nas revistas importantes no mercado da moda. Com seu destaque no mundo fashion, a artista foi selecionada como uma das embaixadoras de uma das marcas mais conhecidas de esporte. 

Logo, a veia rítmica começou a pulsar e a música a chamava. Urias gravou uma série de covers para esquentar sua carreira como cantora.

Com o desejo de causar estranheza estética, uma sonoridade pouco habitual ao mercado fonográfico e letra que expõe a vivência de um corpo trans na sociedade brasileira, ela lançou Diaba, que alcançou mais de nove milhões de visualizações no Youtube. 

"A gente é livre para ser quem a gente quer? O dia da visibilidade trans é um momento de reflexão, de reafirmarmos nossa existência. Nossa luta é construída diariamente. A gente não quer mais viver com medo.", declarou Urias. 

ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI