Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
Comportamento » Família

Dicas para as mães! Ao lado de Thais Fersoza, Médico Psiquiatra indica o que devemos fazer com os filhos que não param de brigar

O Dr. Marco Abud deu alguns conselhos importante durante o 'Encontro com Fátima Bernardes'

Máxima Digital Publicado em 06/01/2020, às 14h31

Mãe de dois filhos, Thais Fersoza e Médico Psiquiatra conversam sobre filhos
Mãe de dois filhos, Thais Fersoza e Médico Psiquiatra conversam sobre filhos - TV Globo

O assunto "briga entre irmãos" foi pauta durante o Encontro desta segunda-feira, 6, apresentado por Patrícia Poeta.

O quadro consistiu em chamar pessoas da plateia para falar sobre a situação que vivem em casa com os filhos para o Médico Psiquiatra Dr. Marco Abud e a mãe de dois Thais Fersoza comentarem os casos.

Primeiramente, o especialista explicou porquê algumas crianças são mais briguentas.

"Tem vários motivos pelos quais os irmãos brigam. Às vezes é por tédio, para atestar uma independência e se sentir no controle. Tem duas formas que os irmãos brigam que são muito comuns: Para chamar atenção dos pais e para eleger quem é o favorito dos pais", comentou o profissional.

"Não é legal comparar os filhos e rotular, porque cria uma competição entre eles", completou.

O que fazer?

Segundo Dr. Abud, o ideal é colocar uma regra igual para que todos os irmãos sigam igualmente!

"Às vezes é importante ter briga, porque é um treino para as crianças aprenderem a gerenciar conflitos, a gerenciar, a fazer concessões [...] Não tem uma regra de ouro. Eu queria ter esse poder, mas tem algumas coisas que a gente pode pensar", disse.

Ele também deixou claro que as mães não devem fazer comparações entre os filhos e que, ao contrário disso, devem salientar as qualidades positivas de cada um.

A esposa de Michel Teló deu um conselho interessante também. Ela disse que os pais devem ficar atentos para ver se os filhos respeitam o espaço um do outro, porque é normal que, às vezes, algum deles queira brincar sozinho. E tem que mostrar que isso é normal!

"Até certo ponto, é legal deixar que eles tentarem achar uma solução entre eles. A senhora pode ensinar formas de lidar com os conflitos. Uma delas é, por exemplo, falar ao invés de agir. Dizer, por exemplo: 'Eu fico irritado com tal coisa', ao invés de puxar o cabelo da outra", pontuou e ainda continuou: "Outra coisa é estabelecer regras e consequências claras para os dois".

A conversa ajudou diversas pessoas da plateia e também os telespectadores que estavam ligados no quadro especial.