Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram Máxima
Comportamento » Relacionamento

Dá para manter a relação baseada apenas no sexo incrível?

A maioria dos problemas pode ser resolvida no diálogo

MÁXIMA Digital Publicado em 21/04/2019, às 10h30 - Atualizado em 22/08/2019, às 01h40

Química precisa ser dentro e fora da cama
Química precisa ser dentro e fora da cama - ShuttterStock

Química e afinidade, dois lados da balança do relacionamento. Ter um parceiro sexual que te faz subir pelas paredes é tão importante quanto um parceiro de conversa; um porto seguro com quem você pode dividir os momentos. E o que fazer quando a balança pende só para um lado?

“Ter noites sensacionais com uma relação mais ou menos não é saudável se a intenção é um compromisso com o outro. Quando a única conexão entre vocês é física, qualquer outro momento desse namoro se torna desgastante”, explica o psicólogo Yuri Busim. Confira os três passos para salvar esse relacionamento - e saiba identificar a hora de abrir mão.

1. Olá, problemas!
“Tudo começa com você identificando quais são os pontos no parceiro que te incomodam, pra tentar perceber exatamente qual o problema na relação de vocês”, orienta o psicólogo. Maneiras diferentes de organizar o dia, preferências muito discrepantes ou ciúme em dose alta são alguns dos possíveis motivos pra essa relação ainda não ter engrenado fora da cama. Vocês discordam de tudo? Não tem assunto em comum para conversar? Anote tudo que incomoda.  

2. Cartas na mesa
A maioria dos problemas pode ser resolvida no diálogo, então é hora de resgatar suas anotações e ser franca com o bofe. “Explique o que te incomoda ou que não está funcionando. Algumas questões são mais fáceis de serem resolvidas e geralmente se resumem em reconhecer as vontades do outro”, completa Yuri. Negocie o que é viável para o cara mudar em sua atitude, lembrando que os dois lados podem precisar ceder nessa negociação!

3. Relembre afinidades
Problemas encontrados e conversados, é hora de despertar o amor de vocês. Procure os hábitos ou gostos que vocês têm em comum e programe passeios que ativem essa afinidade! Ter momentos prazerosos com o parceiro na noite é ótimo, mas você precisa ser capaz de conviver com ele na luz do dia. “Encontros românticos, conversas... busque conexões que não tenham nada a ver com o contato físico”, orienta o expert.

Hora de largar a mão
Há dois tipos de problemas que podem estar dificultando a interação entre o casal: questões internas e questões externas. “As questões externas são mais fáceis de contornar, geralmente se resumem a problemas de convivência ou divergência de opiniões.

Agora conceitos, jeitos de ser e modos de ver a vida são da natureza do outro, e é difícil mudar”, comenta o psicólogo. Se você seguiu os passos acima e ainda sim não consegue se dar bem com o bofe, é hora partir para a próxima! A química sexual pode ser fantástica, mas para um relacionamento, ele está descartado. 

Quando o assunto é outro

A situação contrária também acontece, e exige paciência! Se o cara é um amor com você, mas pena pra te satisfazer na cama...  “É tão difícil quanto. Quando o clique não é natural nos dois setores do relacionamento, vai exigir esforço das duas partes construir o elo que falta”, comenta Yuri.

Ensine suas preferências sexuais para o bofe, “guiando-o” durante o sexo. Vale buscar alternativas para apimentar também! Brinquedinhos, posições novas, géis excitantes. Se há atração um pelo outro, é uma questão de acertar os ritmos.