Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
Comportamento / O Novelo

Tricô, família, superação e aprendizados: 'O Novelo', de Cláudia Pinheiro e Nanna de Castro, vence categoria em Festival Nacional

O filme irá concorrer à um dos prêmios oferecidos pela 49ª edição do tradicional Festival de Gramado

Máxima Digital Publicado em 23/08/2021, às 16h00

'O Novelo', de Cláudia Pinheiro e Nanna de Castro, é selecionado para Festival Nacional - Divulgação
'O Novelo', de Cláudia Pinheiro e Nanna de Castro, é selecionado para Festival Nacional - Divulgação

O Novelo, filme dirigido por Cláudia Pinheiro a partir de roteiro de Nanna de Castro, conquistou uma excelente visibilidade no universo da dramaturgia: ele venceu como Melhor Filme pelo Júri Popular na 49ª edição do tradicional Festival de Gramado.

Ele estava entre os 52 selecionados de 893 filmes inscritos, entre longas e curtas nacionais e estrangeiros. 

Além de ser consagrado como melhor filme, ele também conquistou outras honras durante a celebração. Nando Cunha ganhou como "Melhor Ator", "Menção honrosa para Fernando Lufer, Michel Gomes, Victor Alves, Kaike Pereira, Pedro Guilherme e Caio Patricio por seu talento e potência no longa-metragem e Menção honrosa para Isabél Zuaa pela bela e impactante atuação na história. 

O filme, escrito e dirigido por mulheres, marca o surgimento da produtora Santíssima Narrativas, e é a versão cinematográfica do texto homônimo de Nanna de Castro, encenado nos palcos em 2009 e 2010.

A história traz um lado importante da sociedade: a questão do esteriótipo masculino. O enredo fala do universo de cinco protagonistas homens, irmãos que aprenderam com a mãe a fazer tricô para sobreviver e, após a morte desta, acabam sendo criados pelo irmão mais velho.

Já adultos, a vida parece dar uma reviravolta. Um dia, os protagonistas recebem a notícia de que um homem em coma numa UTI pode ser o pai que os abandonou.

Na sala de espera do hospital, eles mergulham em conflitos e memórias e, através do tricô aprendido na infância, restabelecem o vínculo fraterno enquanto o estado do homem piora.

A construção do texto original surgiu da demanda de um grupo de atores em discutir a complexidade e a profundidade do universo masculino, sem estereótipos. Para escrever a história, Nanna ouviu uma série de homens de vários tipos e idades falando sobre os desafios do masculino. 

A diretora Cláudia trouxe uma versão especial para o cinema e acrescentou ainda mais na trama. Na versão das telonas, o paradoxo entre o feminino e o masculino perpassa as personalidades e comportamentos de cada irmão na história.

Com os holofotes voltados para as mulheres e o feminismo, o filme propõe uma importante inversão de ponto de vista. A intenção é iluminar a discussão do comportamento nas relações familiares e o papel do gênero através de uma perspectiva masculina. 

“Acredito que é necessário ampliar o debate sobre o universo masculino e mostrar que, em relação aos sentimentos há, entre masculino e feminino, um antagonismo positivo com potencial de gerar reflexões e debates. Desvendaremos uma nova e comovente faceta do masculino e de questões comuns enfrentadas em famílias, tais como preconceito, sexualidade, machismo, vícios, traição, rancor, perdão e aceitação. Escancarando as fraquezas abrimos a porta para superá-las”, declarou a diretora.

'O Novelo': elenco
Divulgação

 

Ela deu detalhes da seleção do elenco: “Estávamos, os produtores Luciano Reck e Diego Freitas e eu, no Festival de Gramado de 2017, onde conhecemos pessoalmente o Nando Cunha, que tinha acabado de ganhar o prêmio de Melhor Ator em Curta-metragem. Seu discurso sobre a importância de atores negros fazerem histórias que não necessariamente estejam associadas à cor da pele ou com temáticas ligadas ao racismo foi marcante”.

O filme retrata a realidade de qualquer família. Os produtores então colocaram Nando para dar vida à Mauro, o irmão mais velho. 

"O casting virou majoritariamente preto, tanto de adultos como infantis. Esse elenco incrível é algo que nos enche de satisfação e orgulho, ainda mais pelo filme estar estreando exatamente em Gramado, quatro anos depois.", disse. 

A roteirista comentou: “No teatro tivemos um elenco branco e no filme um elenco negro e isto não me fez mudar nada no roteiro. A história tem uma essência universal que espelha conflitos de todas as famílias humanas independente de cor, raça, credo...”.

Os atores Nando Cunha, Rocco Pitanga, Sérgio Menezes, Rogério Brito e Sidney Santiago Kuanza interpretam os irmãos na fase adulta, em um elenco que traz ainda as participações especiais de André Ramiro, como o pai, e da atriz portuguesa Isabel Zuaá, como a mãe, além dos jovens atores que os representam na infância e juventude.

“Conseguimos trazer Isabel Zuaá, atriz portuguesa que tinha feito um lindo trabalho no filme franco-brasileiro de 2017, Boas Maneiras, para ser a mãe dessa família, o que foi uma bela adição ao filme e que, coincidentemente, sabe tricotar. Isabel inclusive ajudou os demais atores a aprenderem”, contou a diretora.

O Novelo foi exibido no dia 15 de agosto às 21h30 na programação do Festival e tem previsão de lançamento para o final de 2021 com distribuição da O2 Play.

Cláudia Pinhero e Nanna de Castro
Divulgação

 

SOBRE NANNA DE CASTRO

Nanna de Castro é escritora, roteirista de cinema, TV e autora teatral, além de coach e mentora de comunicação. Em cinema ganhou o Kikito de Melhor Roteiro em Gramado com o curta Eu Te Darei o Céu, (2005), dirigido por Afonso Poyart, além dos prêmios de Melhor Roteiro na Jornada Internacional de Cinema da Bahia e no Festival de Curtas de Santos com o curta A História Real (2001), dirigido por Andrea Pasquini. Seu primeiro longa-metragem, O Novelo, dirigido por Cláudia Pinheiro, está concorrendo no Festival de Cinema de Gramado - Edição 2021. Em TV foi selecionada para a Oficina de Roteiristas da Globo em 2010. Atuou também na TV Cultura, com Anna Muylaert, e na RTP Portugal. Tem prêmios como autora teatral e suas peças foram montadas em várias cidades brasileiras e também em Portugal. É autora dos livros Só as Magras e Jovens São Felizes – Reflexões de Uma Mulher de 40 Sobre Um Mundo Nada Fácil, da editora Paulinas, e O Céu Não é Um Lugar, da editora Chiado.

SOBRE CLÁUDIA PINHEIRO

Cláudia Pinheiro é diretora e fotógrafa formada em Comunicação Social e pós graduada em Comunicação e Imagem e Narrativas Cinematográficas/Roteiro. Trabalha há́ oito anos como assistente de direção e diretora assistente em curtas e longas-metragens. Escreveu e dirigiu os curtas Os Sons do Divino e o Espírito Santo do Silêncio (2012) – exibido em diversos festivais, premiado na VIII edição do Comunicurtas, em Campina Grande, Paraíba, e especialmente convidado para o 45º Cinémonde em Nova York; Clara, também presente em festivais no Brasil e premiado no Best Short Competition Award 2014, Estados Unidos, e o documentário Diante da Mesma Cruz (2014), projeto contemplado no Edital Cultura 2014 e exibido durante a Copa do Mundo nas cidades sede dos jogos. Em 2018 dirigiu o curta Distúrbio (2016), premiado no LABRIFF como melhor curta. Atualmente se prepara para o 49º Festival de Gramado com o longa-metragem O Novelo, filmado em 2019.

O NOVELO CARTAZ
Divulgação

 

SOBRE 'O NOVELO'

Gênero: Ficção/Drama

Diretor: Claudia Pinheiro

Roteiro: Nanna de Castro

Elenco principal: Nando Cunha, Rocco Pitanga, Sérgio Menezes, Rogério Brito e Sydney Santiago-Kuanza

Participação especial: Isábel Zuaa e André Ramiro

Ano de produção: 2019

Ano de finalização: 2021

Duração: 95 min (1:34:47)

Local de produção: São Paulo/SP

Produtora: Parakino Filmes

Produtora associada: Santíssima Narrativas

Distribuição: O2 Play

 

 

ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI