Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram Máxima
Comportamento » CASO VILLA MIX

Villa Mix se pronuncia sobre agressão em empresária no último domingo, 5; Veja a nota oficial

Taynara Diniz relatou ter levado socos dos seguranças da boate, na cabeça, nos olhos, nas costas e chutes nas pernas

Máxima Digital Publicado em 08/05/2019, às 08h17 - Atualizado em 22/08/2019, às 01h40

Taynara Diniz
Taynara Diniz - Reprodução/Instagram

Na madrugada do último domingo, 5, Taynara Diniz, de 29 anos, postou um relato em seu Instagram em que afirma ter sido agredida por vários seguranças do Villa Mix, casa noturna localizadoa na Vila Olímpia, Zona Sul de São Paulo.

A empresária conta que um homem jogou bebida na sua cara e quando tentou reagir, seguranças do local a conteram e a levaram para uma sala nos fundos da boate.

Taynara chegou a balada acompanhada de uma amiga, que se separaram no momento em que os funcionários do Villa Mix coagiram a jovem. Ela também conta que os mesmos pegaram o seu celular ao dizer que chamaria a polícia se não a soltassem, e em seguida, começaram as agressões:

“Levei socos na cabeça, nos olhos, nas costas, chutes nas pernas, tive o meu vestido rasgado, além da humilhação que passei. Outras três testemunhas ouviram os meus gritos de desespero e socorro do lado de fora do local, e começaram a bater no portão, pedindo que liberassem a pessoa que estava ali sendo espancada”.

A moça ainda revelou que só devolveram seu celular depois que a polícia já estava no local, e seu pai utilizou o recurso 'encontrar meu iPhone':

“Menos de 5 minutos depois o celular foi entregue por um faxineiro da casa a um policial, falando que meu celular foi encontrado no lixo”.

O Villa Mix se pronunciou sobre o caso em nota, nesta última terça-feira, 7:

"A 'JHLS lanchonete e choperia', licenciada da marca Villa Mix, vem por meio desta nota esclarecer os acontecimentos do último dia 05/05/2019 sobre as acusações de uma jovem, que teria sido vítima dentro da casa “Villa Mix” de São Paulo.
Na data referida, a jovem acusadora, conforme ela mesmo admite, teve um desentendimento com outro cliente gerando tumulto capaz de colocar em risco a integridade física dos envolvidos e de terceiros. Nesse momento, a equipe de segurança, composta de colaboradores de empresa terceirizada e especializada em eventos/casas noturnas, foi acionada para resolver a situação. 
A equipe feminina de colaboradas da empresa de segurança relata que, ao abordarem a jovem acusadora, conforme restou relatado perante a autoridade policial (Boletim de Ocorrência número 4029-2019), a mesma se mostrava descontrolada, em razão da discussão que teve com o outro cliente, inclusive teria agredido física e moralmente os colaboradores.
A empresa informa que está acompanhando a apuração dos fatos e colaborará com as autoridades policiais para a responsabilização pelo lamentável acontecimento e determinou à empresa de segurança terceirizada o afastamento imediato dos seguranças envolvidos até que os procedimentos oficiais de apuração sejam concluídos.
Por fim, a empresa reitera que repudia qualquer tipo de violência, discriminação, racismo e qualquer tipo de agressão à mulher ou prática oposta à sua finalidade: proporcionar momentos de alegria e descontração.

Diretoria JHLS Lanchonete e Choperia"

Assim que o esclarecimento foi postado em sua página no Facebook, milhares de pessoas e clientes da casa se revoltaram com o ocorrido e pediram justiça:

"Vocês não cansam? Não conseguimos mais contar nos dedos a quantidade de vezes que já lemos e vemos esse tipo de notícia vindo de vocês... E não é a primeira vez que vocês CULPAM A VÍTIMA", desabafou uma internauta.

"Apaga que dá tempo", disse outra.