Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima

Os diferentes tipos de açúcar

Já reparou quantas variedades do produto estão disponíveis nas prateleiras? Conheça melhor as particularidades de cada versão e faça a sua escolha de forma consciente!

Máxima Digital Publicado em 28/10/2015, às 15h05 - Atualizado em 22/08/2019, às 01h40

tipos de açucar
tipos de açucar - Shutterstock

Cristal: apresenta-se como cristais maiores e transparentes, sendo mais difícil dissolvê-lo. No seu processo de fabricação, a etapa de cristalização elimina a maioria das impurezas presentes. Como impurezas, considera-se tudo aquilo que não seja sacarose (sais minerais, glicose, frutose, amido, dentre outros componentes presentes). É apontado como um produto com uma purificação parcial.

 

Refinado: esse é o tipo de açúcar mais comumente encontrado nos supermercados e o mais apreciado pelas donas de casa. No processo de refino, além da adição de novos produtos químicos, o açúcar cristal é dissolvido e recristalizado, visando torná-lo mais branco, pela remoção adicional dos compostos coloridos presentes. O resultado é um açúcar de elevada brancura, com cristais bem pequenos e com maior facilidade de dissolução.

 

De confeiteiro: já descrito pelo nome, esse tipo de açúcar é mais utilizado para decorar receitas como bolos, biscoitos e tortas. Os cristais são extremamente finos e com a aparência de pó. Em algumas refinarias, uma etapa de peneiramento ajuda a garantir a uniformidade destes pequenos cristais. Além disso, antes de serem embalados recebem a adição de uma pequena quantidade de amido para evitar que os cristais fiquem grudados.

 

Orgânico: em geral se apresenta na forma de cristais maiores e mais escuros. Durante a sua produção, desde o plantio da cana até o produto embalado, não são utilizados agrotóxicos ou insumos não autorizados. Por ter essas exigências em sua produção é um produto com o preço mais elevado.

 

Light: é a combinação do açúcar refinado com adoçantes artificiais. Deve ser evitado por pessoas que não podem ou não querem utilizar adoçantes. Por conta da presença dos edulcorantes, não tem o mesmo efeito culinário.

 

Mascavo: com a coloração mais escura parecida com o caramelo, o sabor do açúcar mascavo lembra uma rapadura. O açúcar mascavo tradicional é um alimento obtido diretamente da concentração do caldo de cana recém-extraído. Este processo não utiliza o uso de aditivos químicos para o processo de branqueamento e clarificação. Apesar de preservar alguns micronutrientes como fósforo, cálcio, magnésio e potássio, não pode ser considerado como fonte destes nutrientes.

 

Demerara: tem grãos na cor marrom claro e o processo de produção é muito similar ao açúcar mascavo, porém passa também por um processo de tratamento leve, utilizando menor quantidade de aditivos químicos.

 

De coco: De origem asiática, esta variação é produzida a partir de flores da palmeira. O diferencial do açúcar de coco é conter alguns nutrientes, como zinco e ferro e também inulina, uma fibra com efeito prebiótico. "Afirma-se que, talvez pela presença da inulina, ele tem um menor índice glicêmico, mas ainda assim é composto de pelo menos 70% de sacarose (glicose e frutose). Por isso, não é indicado para diabéticos. Para todos os efeitos, é um açúcar, e ainda não temos trabalhos comprovando que ele é efetivamente mais saudável. Além disso, o modismo estimula falsificações ou misturas com outros tipos de açúcar, como o açúcar de mesa ou mascavo, por isso é necessário cautela”, diz a nutricionista Marcia Daskal (SP), da Recomendo Assessoria em Nutrição.

 

FONTE: Campanha Doce Equilíbrio, da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI