Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
Saúde e Bem Estar » Saúde capilar

Estresse, excesso de vitamina e muito mais! Descubra 6 causas para a queda capilar

A queda dos fios é muito comum e pode estar relacionada a diversos motivos

Máxima Digital Publicado em 09/01/2020, às 16h48

6 motivos para a queda de cabelo
6 motivos para a queda de cabelo - Getty Images

Tanto em homens quanto em mulheres, a queda de cabelo pode estar associada a diferentes hábitos ou estilo de vida que interferem na saúde dos fios, deixando-os mais fracos e propensos à queda.

Ainda que alguns casos sejam relacionados aos fatores genéticos, como a calvície androgenética, mais comum em homens, aspectos do dia-a-dia também podem influenciar essa característica.

Quer saber mais porquê isso ocorre? Então veja, a seguir, 6 causas comuns de queda de cabelo que são pouco associadas ao problema.

Antes de tudo, é importante destacar que é considerada normal uma queda de aproximadamente 100 fios por dia, pois as madeixas estão em constante renovação.

Se você achar que a quantidade pode estar muito maior que essa, então é bom procurar um profissional para auxiliar na investigação das causas.

Vamos para os motivos?

1. Excesso de estresse

O excesso de estresse, seja por uma situação traumática ou por um estilo de vida continuamente estressante, pode resultar na queda de cabelo, pois causa alterações físicas e mentais no paciente.

Portanto, a queda de cabelo pode se iniciar após um acidente, uma perda de um ente querido ou qualquer outra situação de estresse elevado.

Nesses casos, a recomendação é tentar diminuir a carga de estresse. A prática de exercícios físicos é uma aliada muito boa para isso!

Quando não controlado, o estresse pode desencadear outros problemas de saúde, como depressão, doenças autoimunes e até câncer.

2. Excesso de vitamina A

Muitas pessoas não esperam que os níveis elevados de vitamina no organismo possam ser prejudiciais à saúde, mas o fato é que podem e são.

Ainda que não seja uma ocorrência comum, o excesso de vitaminas A favorece a queda de cabelo.

Em geral, o excesso de vitaminas ocorre em pacientes que se equivocam na hora da alimentação ou que fazem uso inadequado de suplementos nutricionais.

Dessa forma, a indicação é só fazer uso de suplementos de vitaminas caso haja uma recomendação médica específica para isso. 

3. Pós-parto

Durante a gravidez, as mudanças hormonais estendem a fase anágena do cabelo (crescimento) de forma que após o parto uma quantidade maior de cabelo vai para fase telógena (repouso para posterior queda).

Essa é a explicação para muitas mulheres grávidas ficarem com cabelos de aspecto mais volumoso e brilhante e, no pós-parto, apresentarem queda de cabelo.

Infelizmente, essa queda não pode ser evitada, mas é temporária, tendo início em geral após 3 meses do parto e permanecendo por cerca de 2 meses.

4. Alterações hormonais

As mudanças hormonais são frequentemente relacionadas à queda de cabelo, sendo que ela pode acontecer na adolescência ou até início da menopausa, devido a reposições hormonais ou uso de métodos contraceptivos com hormônios.

5. Anemia

A anemia é resultado da deficiência de ferro no organismo e pode ser prejudicial à saúde de diferentes formas, causando cansaço excessivo, taquicardia, palidez e queda dos fios também.

O crescimento capilar não é considerado uma atividade vital do organismo, dessa forma quando há deficiência de ferro ele redireciona os depósitos existentes às atividades vitais, como produção da hemoglobina (proteína que carrega oxigênio no sangue).

O tratamento indicado nesse caso é o uso de suplementos de ferro e também a melhora da alimentação. Uma solução é ingerir mais dos seguintes alimentos: carne, peixes, feijão, folhas verde-escuras e outras fontes animais e vegetais de ferro.

6. Hipotireoidismo

O hipotireoidismo consiste em um funcionamento inadequado da glândula tireoide, que provoca a insuficiência de alguns hormônios essenciais ao funcionamento do organismo.

A identificação do hipotireoidismo é possível com os diversos sintomas relacionados ao problema, como:

●depressão;

●ganho de peso;

●intestino preso;

●menstruação irregular;

●problemas na memória;

●fadiga excessiva;

●dores musculares;

●sonolência.

O diagnóstico e tratamento do hipotireoidismo devem ser realizados por um endocrinologista e, normalmente, inclui a suplementação do hormônio tireoidiano.

Para finalizar, em alguns casos, pode ser identificada também a alopecia feminina, que consiste em um afinamento dos fios e queda acentuada, que reduz consideravelmente o volume dos cabelos. Nesses casos, um dermatologista especializado em cabelo deverá ser consultado.