Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima

Mitos e verdades sobre usar, ou não, protetor de calcinha

Protetores diários para calcinhas dividem opiniões e geram dúvidas. Esclarecemos algumas delas aqui. Confira

Texto: Greyce Alvarenga Publicado em 06/08/2015, às 16h32 - Atualizado em 22/08/2019, às 01h40

protetor
protetor - shutterstock

Quando o assunto é saúde íntima feminina, uma certa polêmica surge - e não é para menos, já que é algo muito delicado. O assunto da vez são os amados ou temidos protetores diários, aqueles bem fininhos que aderem à calcinha como um adesivo. O item tem consumidoras fiéis, outras que nunca usaram e aquelas que têm pavor em pensar neles, devido ao medo de ser prejudicial. E, de fato, pode ser!

Para não colocar sua saúde em risco, Zsuzsanna Dinbsp;Bella, ginecologista, professora da EPM-UNIFESP, explicou quais são os principais mitos e verdades que giram em torno do assunto. Anote aí!
1. Protetor diário é um mini absorvente.
Mito. "O absorvente menstrual possui camada plástica e maior capacidade de absorção para reter os fluidos da menstruação. Por isso, é mais espesso e tem tamanho maior do que um protetor diário. Por sua vez, os protetores se dividem em dois tipos: aqueles feitos para o início e final da menstruação, que possuem uma fina camada plástica para reter pequenos fluxos, e os respiráveis, que são ideais para o uso diário pois são feitos com um material poroso que permitem a circulação do ar", explica a médica. No dia a dia, fuja da primeira categoria, pois esta sim pode te causar danos. 
2. O uso de protetores diários é prejudicial porque abafa a região íntima
Mito. Diferentemente da barreira plástica dos absorventes menstruais, o protetor de uso diário é feito de material respirável com microporos que permitem a ventilação e não abafam a região genital. 
3. O uso diário do protetor aumenta as chances de desenvolver infecções.
Mito. Foi comprovado, por meio de estudo realizado e acompanhado por ginecologistas, que o protetor diário, quando utilizado corretamente, não aumenta as chances de infecções, como por exemplo a candidíase. "Por ser feito de um material respirável, que não abafa e nem altera a condição natural da região íntima, tem o efeito contrário ao do boato. Ele ajuda a prevenir possíveis infecções que podem ser causadas pela umidade que fica na calcinha", diz Zsuzsanna.  
4. É preciso trocá-lo durante o dia.
Verdade. A mulher pode trocar o protetor sempre que achar conveniente para se sentir limpa e seca. Porém, o mais indicado é substituí-lo, ao menos, duas vezes ao dia para garantir qualidades máximas na adesão à calcinha, na integridade do protetor diário de calcinha e na atuação do sistema de controle de odores.
Segundo um estudo realizado pela UNICAMP, 92% das mulheres se sentem mais seguras quando estão usando o item, e durante a pesquisa, nenhuma apresentou problemas ou desconforto causados pelo protetor. Então, pode ficar despreocupada: desde que você mantenha a higiene em dia - lembre-se que o excesso dela também pode te prejudicar, retirando microorganismos necessários para a região intima - e escolha o modelo ideal para o seu período do mês, sempre fugindo dos que abafam, não há problemas em ser uma adepta dos protetores de calcinha.
ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI