Máxima
Busca
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
LGBT / LGBT

Milton Cunha fala sobre infância difícil por fazer parte da comunidade LGBTQIAPN+

“Meus pais ficavam apavorados”, comentou o carnavalesco que aibd mandou um recado para os preconceituosos

Máxima Digital Publicado em 03/11/2023, às 16h00

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Milton Cunha fala sobre infância difícil por fazer parte da comunidade LGBTQIAPN+ - Instagram
Milton Cunha fala sobre infância difícil por fazer parte da comunidade LGBTQIAPN+ - Instagram

Na última segunda-feira, 30, o carnavalesco Milton Cunha comemorou seus 61 anos e relembrou sua infância difícil no Pará por conta de se identificar como um homem gay desde criança.

Durante sua participação no podcast Par ou Ímpar, Milton contou do preconceito dentro de seu lar e que não conseguiu aproveitar a juventude por conta da AIDS. 

“Eu era uma criança ‘viada’. O eu de 4 anos já tinha esses trejeitos. Meu pai, minha mãe, meus avós ficavam apavorados. Eu achava que estava só passando um tempo ali, que ali era uma chuva, uma tempestade e que quando eu fizesse 19 anos, eu iria embora. Eu só tinha que sobreviver até os 19”, relembrou.

“Quando vem a puberdade, quando vem a hora de ‘soltar a franga’, vem a AIDS. A minha juventude, o meu começo de maturidade é a solidão. Eu digo: ‘Poxa, logo na minha vez?’ Uma geração inteira desapareceu nos anos 80, 90, né? Eu não transei o quanto eu tinha que ter transado. Eu não fiz sexo, sou filho da repressão”, continuou.

“As pessoas que não aceitam os direitos humanos, as pessoas que não aceitam a liberdade de ser o que se nasceu para ser, esta gente eu não quero, eu ponho de lado. Sejam felizes, mas não cheguem perto de mim", falou.

"Vocês não são minha praia, vocês não são meu grupo. A minha praia é o povo que vive e deixa viver”, concluiu.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!