Noivas apostam em cintas modeladoras para valorizar a cinturinha no grande dia

Segredinho de beleza para manter a postura no dia do “felizes para sempre”

Gabriella Gouveia

Para os modelos “tomara que caia”, as cintas modeladoras longas são uma boa opção, porque ressaltam o busto e alinham o quadril | <i>Crédito: iStock
Para os modelos “tomara que caia”, as cintas modeladoras longas são uma boa opção, porque ressaltam o busto e alinham o quadril | Crédito: iStock

Meses de preparação e organização, coração a mil, o dia do “sim” tem que estar perfeito. A escolha do vestido, das flores, das cores, dos padrinhos. Cada detalhe recebe a maior atenção possível.
 
Nem sempre é fácil encontrar o vestido ideal nas primeiras tentativas. Aquele vestido maravilhoso no manequim, parece estranho e sem graça no corpo. Não valoriza as curvas e aparenta ficar sem caimento.
 
Por essa razão, noivas de todo o mundo tem adotado um segredinho na hora de experimentar os vestidos: as cintas modeladoras que, além de valorizar o corpo, ajudam a noiva a manter a postura durante a cerimônia e a festa, com conforto e segurança, disfarçando as gordurinhas e os pneuzinhos.
 
Vale lembrar que cada modelo de vestido exige um tipo de cinta diferente. Por isso, é imprescindível consultar um estilista e fazer a prova do vestido para ver qual modelo é o ideal.
 
Por exemplo, os modelos com corte “sereia” exigem as cintas “legging”, ou seja, aquelas que vão até o tornozelo, evitando marcas nas coxas. Para os modelos “tomara que caia”, as cintas modeladoras longas são uma boa opção, porque ressaltam o busto e alinham o quadril.
 
Corpete, corset, corselet, espartilho, short ou legging, são alguns dos modelos que podem ser usados com vestidos de noiva e que valorizam diferentes partes do corpo.
 
Mas é importante ressaltar: Não adianta estar impecável e não conseguir aproveitar nada da cerimônia e da festa! Cintas apertadas demais podem causar desconforto, dificuldade para comer e beber e até falta de ar, por isso, compre a numeração correta para seu corpo, respeitando seus limites.

23/05/2017 - 13:00

Conecte-se

Revista Máxima