Esquenta para o Oscar: relembre momentos marcantes da premiação

Neste domingo, dia 4, a principal premiação da indústria cinematográfica completa 90 anos. Muitos fatos inusitados, gafes e polêmicas marcaram essa trajetória. Selecionamos alguns para você recordar

Máxima Digital

Uma retrospectiva para aguardar para o evento desse ano | <i>Crédito: Getty Images
Uma retrospectiva para aguardar para o evento desse ano | Crédito: Getty Images

Em 1963, Sidney Poitier se tornou o primeiro negro a receber um Oscar na categoria de melhor ator. O filme em questão foi Uma Voz nas Sombras. 

A cerimônia sempre foi marcada por polêmicas. Em 1973, Marlon Brando levou o prêmio de melhor ator por seu papel em O Poderoso Chefão. No entanto, ele não compareceu ao evento e mandou, em seu lugar, a presidente do Comitê Nacional da Imagem Afirmativa dos Nativo-Americanos para recusar a estatueta devido ao tratamento de Hollywood em relação aos índios. Climão...

Na cerimônia de 1974, o ator David Niven estava prestes a anunciar um musical com Elizabeth Taylor quando um homem nu adentrou o palco. Imagine só!

Em 2002, Halle Berry se tornou a primeira (e ainda é a única) negra a receber o Oscar de melhor atriz, graças à aclamada atuação no filme A Última Ceia. Seu discurso emocionado falou sobre a importância da representatividade racial.

Em 2013, Jennifer Lawrence, campeã da categoria melhor atriz por sua atuação em O Lado Bom da Vida, levou um tombo nas escadas enquanto se dirigia ao palco para receber seu prêmio. Apesar de constrangida, a atriz foi aplaudida de pé e demonstrou bom humor.

Já que falamos nisso, vale citar que a atriz caiu, também, na premiação do ano seguinte. O tombo, no entanto, aconteceu logo na chegada da evento, enquanto ela acenava para fãs no tapete vermelho.

Quem não se lembra da superselfie tirada pela apresentadora Ellen DeGeneres, nessa mesma edição, de 2014? A ideia inicial era tirar a foto apenas com a atriz Meryl Streep, mas outras estrelas – como Jennifer Lawrence, Bradley Cooper  e Julia Roberts – foram chegando, chegando... A foto se manteve durante mais de três anos no posto de mais compartilhada do Twitter.

O feminismo ganhou força na edição de 2015 do Oscar. Ao subir no palco para receber o prêmio de melhor atriz coadjuvante pela atuação em Boyhood,  Patricia Arquette dedicou sua vitória “a toda mulher que já deu à luz, todo cidadão que paga impostos...” e seguiu, aproveitando a oportunidade para pedir igualdade. “Nós temos que lutar por direitos iguais para todos. Está na hora de termos salários iguais de uma vez por todas e direitos iguais para as mulheres nos Estados Unidos”, bradou. A atriz foi ovacionada pela plateia, inclusive por estrelas como Meryl Streep e Jennifer Lopez.

Em 2016, pelo segundo ano seguido, todos os 20 indicados nas quatro categorias de atuação eram brancos. A polêmica em torno disso foi enorme e gerou a campanha online #OscarsTãoBrancos. Em resposta às críticas, a academia anunciou planos para aumentar o número de mulheres e outros representantes de minorias entre seus membros.

Em 2017, Moonlight fez história como o primeiro longa com um elenco exclusivamente negro a vencer a categoria de melhor filme. No entanto, inicialmente o prêmio foi entregue, por engano, ao musical La La Land – Cantando Estações. É que os envelopes foram trocados nos bastidores, provocando a confusão.

03/03/2018 - 14:00

Conecte-se

Revista Máxima