Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
BBB / Síndrome de Hulk

Após expulsão de Maria do 'BBB22', especialista explica o que é a Síndrome de Hulk

O psicólogo Alexander Bez explicou o que é a condição e como tratá-la

Máxima Digital Publicado em 16/02/2022, às 15h20

Após expulsão de Maria do 'BBB22', especialista explica o que é a Síndrome de Hulk - Instagram
Após expulsão de Maria do 'BBB22', especialista explica o que é a Síndrome de Hulk - Instagram

A expulsão de Maria do Big Brother Brasil 22 causou uma série de debates nas redes sociais. Durante sua permanência no programa, a própria cantora disse que reparou algumas crises de agressividade e disse que não estava contente com isso. 

O psicólogo Alexander Bez apontou que Maria pode portar a Síndrome de Hulk, que pode ser uma alternativa para a qual ela tenha esses acessos de raiva. 

Ele explicou o que é a síndrome: "A Síndrome de Hulk é a nomenclatura popular para o Transtorno Explosivo Intermitente (TEI), que é fundamentalmente a perda do controle do impulso agressivo. Esses impulsos se manifestam através de agressões verbais, falas, discussões ou agressões físicas contra pessoas, animais ou objetos. Para ser diagnosticado com o transtorno, a pessoa não pode ter ações intencionais ou premeditadas, e sim impulsivas e sem um objetivo claro."

"As atitudes da Maria no BBB podem sim ser de uma pessoa com Transtorno Explosivo Intermitente, mas para ser considerado TEI é necessário que essas ações aconteçam com uma frequência grande, há pelo menos 6 meses, entre duas ou três vezes por semana, caso contrário pode ser apenas uma ação isolada, intencional e pessoal. Portanto, para afirmar que Maria tem esse transtorno precisaríamos avaliar os comportamentos da mesma antes de entrar no reality, mas as imagens mostram que ela tem indícios.", disse. 

O especialista falou o que pode desencadear a Síndrome: "A Síndrome pode desencadear o prejuízo social, pessoal, conjugal e profissional, pois não são ações calculadas, nem previamente planejadas."

Ele disse que é possível tratar essa condição: "Sim, o controle a longo prazo pode ser feito através de psicoterapias direcionadas no sentido de a pessoa aprender a detectar aquelas situações que desencadeiam as crises e evitá-las, ou aprender a enfrentá-las de modo menos agressivo. Em alguns casos também é indicado o uso de medicamentos como: estabilizadores de humor, antidepressivos ou ansiolíticos"

ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI