Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima

Cuidado com os olhos do pet!

Fatores externos e também defeitos anatômicos podem provocar diversas doenças oftalmológicas nos animais

Gabriella Gouveia Publicado em 14/05/2017, às 15h00 - Atualizado em 22/08/2019, às 01h40

.
. - Divulgação

Assim como os humanos, os pets também podem desenvolver problemas relacionados à visão. Ainda pouco conhecida entre os tutores, a oftalmologia veterinária garante a saúde dos olhos de cães, gatos e até de bichos exóticos e silvestres.

Como não é possível verificar a acuidade visual dos animais, os testes se baseiam em avaliar se eles possuem visão de movimento e luminosidade. Além disso, durante o exame clínico o veterinário especialista verifica problemas na retina, lente e córnea que podem levar à cegueira. Conforme Juliana Fischer, do Hospital Veterinário Amizade, em Jaraguá do Sul, fatores externos e também defeitos anatômicos podem provocar diversas doenças.

Por isso, é preciso estar atento aos sinais. “Os olhos não esperam. De um dia para o outro o quadro pode se tornar irreversível”, enfatiza. Entre os problemas mais comuns nos cachorros estão as úlceras de córnea, o chamado “olho seco” e alterações nas pálpebras que levam a problemas de córnea. Algumas raças, como as braquicefálicas e outras como Chow Chow, Fila e Shar Pei, são mais propensas a doenças oculares.

Já nos gatos, os Persas também entram nessa categoria. No universo dos felinos, é comum que doenças infecciosas, como a rinotraqueíte, cause problemas. Nesta lista estão as conjuntivites e até as úlceras de córnea. Quando não tratados adequadamente, elas podem levar à cegueira. Naqueles animais que têm FIV e Felv, há, ainda, chances de ocorrerem inflamações dentro dos olhos. “Elas são chamadas de uveítes e podem até alterar a cor da íris e provocar sangramentos intraoculares”, destaca a veterinária.

A especialista também explica que coelhos e aves são, igualmente, vítimas de problemas nos olhos. “Elss podem desenvolver cataratas, o que é comum em canários, e clamidiose, rotineira nas calopsitas, por exemplo”, complementa. Vale ressaltar que todas as espécies podem ser vítimas de tumores oculares.

 Saiba mais

- Cães da raça Pug são muito propensos à doença do olho seco. Quase que 100% deles desenvolvem o problema, que começa a dar sinais por volta dos dois anos de idade.

- Em geral, cachorros da raça Shih-tzu possuem alguma alteração de pálpebra.

- Uma grande porcentagem dos cães desenvolve catarata na velhice. Raças como Poodle e Cocker são mais predispostas ao problema.

- De 20 a 30% dos cachorros que se submeteram a tratamento cirúrgico de catarata podem ter complicações, como uveíte e glaucoma.

- É comum em cães braquicefálicos que traumas causem a protrusão do bulbo ocular, ou seja, o olho salta para fora da órbita. Nesses casos, o auxílio veterinário deve ser imediato.

- Os coelhos possuem olhos bastante sensíveis e exigem atenção redobrada.

- A conjuntivite em calopsitas pode ser transmitida para os seres humanos.

- Nos hamsters, todo cuidado com os olhos é pouco. Dependendo de como o tutor os segura nas mãos, os olhos podem saltar.

- Doenças nos olhos podem levar à morte nos casos de infecções intraoculares não tratadas adequadamente.

- Úlceras de córnea geram muita dor e as alterações são facilmente percebidas por um tutor atento.

- Cães e gatos dependem menos da visão do que os humanos. Mesmo com déficit visual, eles podem ter uma vida normal.

ACOMPANHE AS NOVIDADES MAIS QUENTES DO MUNDO DOS FAMOSOS PELO INSTAGRAM TAMBÉM. CLIQUE AQUI