Máxima
Facebook MáximaTwitter MáximaInstagram MáximaGoogle News Máxima
Dieta e Saúde » Vida saudável

Emagrecendo com Low Carb: saiba quais efeitos colaterais a dieta pode gerar e aprenda como superá-los

Como passar pelos sintomas com sucesso e continuar perdendo peso

Máxima Digital Publicado em 09/03/2020, às 14h34

Dieta low carb pode gerar efeitos colaterais; Saiba como enfrentá-los
Dieta low carb pode gerar efeitos colaterais; Saiba como enfrentá-los - GETTY IMAGES

É bastante comum que algumas pessoas tenham sintomas desagradáveis no início da dieta Low Carb, já que os adeptos passam a ingerir pouquíssimos alimentos com carboidratos.

A boa notícia é que tudo pode ser contornado com medidas simples, de acordo com a Dra. Bruna Marisa, médica, endocrinologista, especialista em emagrecimento e medicina esportiva!

É recorrente a pergunta: Por que sintomas de uma gripe podem me afetar, já que estou adquirindo para mim um estilo de vida saudável e bom?

A resposta é simples: Porque você está numa fase de transição de uma dieta de anos, onde a ingestão de carboidrato era bem rica, para uma fase na qual você diminui muito a ingestão destes carboidratos. Sendo assim, o corpo percebe que nesta nova fase, os alimentos que ele terá que digerir são diferentes dos que ele digeria, então surgem os sintomas como os de uma gripe.

Não há nada de mal nisso, ao contrário.

Pense... Se você passou anos ingerindo a glicose como principal fonte de energia, é normal que agora seu corpo tenha que aprender a digerir gordura e usá-la como fonte de energia, ao invés da glicose. E isso leva um tempinho.

No mais, essa restrição (da glicose), leva a uma diminuição natural dos níveis de insulina no sangue, explicou a Dra. Bruna Marisa. Ela ainda garantiu que em no máximo 3 semanas, o corpo já fica livre de todos estes sintomas desagradáveis!

Medida #1 = Ingerir Água

Quando os níveis de insulina diminuem, ocorre naturalmente uma excreção de líquido e com esses líquidos, são eliminados também minerais essenciais, como o magnésio, o potássio e o sódio. É também por isso que perde-se muito peso no início da dieta low carb.

Esse é o ponto do qual teme-se os sintomas da 'Gripe Low Carb' – Você precisa de água e eletrólitos para desempenhar algumas funções cruciais do seu dia a dia e para se sentir bem.

Ok! Você vai sentir mais sede neste período e vai beber mais água. No entanto, seu cérebro não passará a mensagem de que você também estará precisando repor sais minerais. Não há uma mensagem para isso, explicou a Dra. Bruna Marisa. O que se tem a fazer é de forma consciente, começar a repor automaticamente estes sais minerais, essencialmente o sódio, o magnésio e o potássio em sua alimentação diária.

Medida #2 = Repor Sais Minerais

O sódio é encontrado facilmente no sal de cozinha, então, basta aumentar um pouquinho a quantidade de sal em suas refeições.

A falta de magnésio, que muitas vezes não é identificada pelo paciente, causa enormes desconfortos como as cãibras musculares, a insônia, a sensação de fraqueza, a perda de apetite, pedras nos rins, osteoporose, nervosismo, inquietação, irritabilidade, compulsão por açúcar, fadiga e -pressão alta.

Mas você não precisa passar por isso, se incluir diariamente em suas refeições alguns alimentos nos quais o magnésio é facilmente encontrado, como no chocolate puro amargo, no abacate, nas oleaginosas, nos peixes gordurosos como sardinha, atum e salmão e nas folhasverdesescuras.

Se ainda assim não adiantar, outra solução é ingerir um suplemento desse mineral, como o cloreto de magnésio, que é uma opção bastante econômica e costuma ser vendido em praticamente todas as farmácias.

Por último, vamos falar do potássio, que também causa deficiência nos primeiros dias da low carb.

Bem, para quem já pensou em ingerir bananas, ok, elas têm potássio, mas existem outros alimentos que têm muito mais potássio que a banana e possuem muito menos carboidratos que ela: estamos falando das oleaginosas, das folhas verdes escuras, dos shitakes, dos abacates e dos peixes gordurosos.

Se não for suficiente, então você também pode encontrar potássio no “sal light”, que é um sal, em que parte do cloreto de sódio é substituída pelo cloreto de potássio.

Além disso, multivitamínicos são uma das opções de suplementos que podem ser utilizadas com tranquilidade, como a própria Dra. Bruna apontou.

Medida #3 = Gorduras Boas

Sabemos agora que os desconfortos causados nos primeiros dias da dieta low carb são causados porque o organismo precisa aprender a usar a gordura como fonte de energia, ao invés da glicose, como era feito anteriormente e isso demora um pouquinho.

O problema agora é que você ainda não está comendo gorduras boas suficientes para proporcionar um aporte energético ao seu organismo e isso causa um déficit calórico enorme ao seu organismo, que somados os desconfortos já ditos aqui, podem fazer com que você se sinta muito cansado, com menos disposição, fraco e com sono o tempo todo, disse a especialista.

"Isso também é facilmente resolvido ingerindo gorduras boas, ou seja, gorduras provenientes dos próprios alimentos, tais como o abacate, o azeite de oliva, a gema do ovo, o bacon, a manteiga, queijos gordurosos e com pouco carboidrato, o óleo de coco, pele de frango, torresmo, peixes gordurosos, gordura da carne vermelha, entre diversos outros alimentos permitidos na low carb", apontou.

Fácil, não?

Medida #4 = Diminuir aos poucos os Carboidratos

É muito provável que você já tenha descoberto os benefícios da low carb e esteja querendo ser “super low carb” o mais rápido possível. Porém, seu organismo pode lidar melhor com uma redução gradual de carboidratos.

Desta maneira, você dará tempo para seu corpo se acostumar a este novo estilo de vida e assim, atenuar e até mesmo evitar os indesejados sintomas da 'Gripe Low Carb'.

De qualquer forma, é importante lembrar que estes desconfortos duram apenas alguns dias e os benefícios que você vai adquirir fazendo da low carb seu estilo de vida, serão colhidos todos os dias pelo resto da sua vida!


Dra Bruna Marisa é médica, pós graduada em Endocrinologia, membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia, atua na área de Medicina Esportiva, Ortomolecular e é Especialista em Emagrecimento.